Dia da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha!

Embora os grandes veículos de comunicação, o poder executivo, legislativo e judiciário insistam em negar, 53% da população brasileira é negra. É importante reconhecer que, ao longo dos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff, avanços consideráveis foram feitos, como  a obrigatoriedade do Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e africana (Lei 10.639/03), o Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288/2010) e o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra (Lei nº 12.987/2014).
Segundo Fabiana Yuka, o Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha foi definido como 25 de julho durante a realização do 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, em 1992, e também foi criada a Rede de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenha. A potência do dia 25 de julho se tornou um mês de reflexões sobre mulheridades Negras marcada pela #JulhoDasPretas nas redes sociais e tem sua expressão máxima no Festival Latinidades, em Brasília, desde 2007.

Pinturas faciais Maori

Michael Bradley é um fotógrafo de Auckland, Nova Zelândia, seu projeto mais recente é intitulado Puaki. Ele apresenta o povo Maori seus suas pinturas faciais. E não pense que é apenas outro projeto utilizando Photoshop, a técnica usada pelo Michael é muito mais original.

Quando os europeus fotografavam o povo Maori na década de 1850, notaram que as pinturas pareciam invisíveis nas fotografias. Isto deve-se ao método chamado fotografia de placa molhada. Certas tonalidades de cores parecem desaparecer na pele mais escura, e foi isso que deu ao fotografo a ideia de começar o projeto. A série de registros chama atenção para o tã moko – a antiga arte maori de pintura facial e corporal. A arte de tã moko parece ter passado por um renascimento nos anos 90 e o projeto mostra como uma cultura apagada pelos colonizadores pode retornar contra todas as probabilidades.

Fonte: https://zupi.co/

Este slideshow necessita de JavaScript.

A ARTE TRANSFORMANDO O MUNDO

Este slideshow necessita de JavaScript.

A arte tem o incrível poder de causar uma mistura de sentimentos nas pessoas – muitas sentem raiva, outras sentem tristeza e nostalgia. Já o grafiteiro Falko, espera fazer com que as pessoas sintam esperança, mudando a sua percepção de mundo.

Para que isso aconteça, o artista de Cape Town (África) percorreu toda a África do Sul espalhando desenhos de elefantes coloridos em murais abandonados, paredes de concreto e em diversos lugares nas áreas mais pobres do país. Para ele, essa intervenção artística pode fazer com que as pessoas enxerguem o mundo de maneira mais positiva.

“Adicione um pouco de tinta a um barraco velho, e ele não será mais só um barraco velho. Ele será um barraco com arte, parte de uma galeria a céu aberto. Isso acaba mudando a percepção das pessoas”, contou o grafiteiro para a Red Bull.

Falko está na cena do grafite desde 1988, e espera transformar o mundo por meio da arte, incentivando muitos jovens talentos de seu país de origem. O motivo de elefantes serem a sua marca registrada, ele nunca deixou claro, mas não podemos negar que suas imagens trazem um conceito totalmente inovador e, como ele espera, muito inspiracional.

Fonte: blog.kanui.com.br/

PARA QUE SERVE A ARTE NA ESCOLA E NA EDUCAÇÃO?

Uma reflexão sobre a importância da arte nas escolas, sendo seu aprendizado um dos pilares da Educação.

A história da arte acompanha a história do homem em sua essência. Toda a forma de expressão que o homem conhece, seja em grupo ou seja individual, tem a ver com a arte. A expressão artística nos aproxima do indivíduo ou de um determinado grupo social, uma vez que através da arte, expõe-se o interior e a maneira de olhar-se a realidade à volta. Com isso, a exposição das crenças e dos valores ajudam a formar identidades. É através da arte que isto é possível, pois a arte é a expressão máxima do ser.

Mona Lisa, Leonardo da Vinci, 1503–1517

Não é possível separarmos a história do homem e a história da arte. O homem evoluiu e levou consigo considerações a serem exploradas por meios de expressão artísticas. A evolução do homem também se deve a esta necessidade de se expressar como indivíduo ou como grupo. A arte é a resposta e e reação do homem ao meio em que se vive, sendo assim torna-se um dos grande pilares que sustenta o entendimento do próprio homem.

O acesso à cultura e Educação tona a vida das pessoas mais simples, uma vez que o conhecimento as ajuda a entender o mundo à nossa volta, os fatos, a História e a realidade. Todas as ciências que permeiam o conhecimento do homem devem ser oferecidas como forma de educação, eis a importância de as escolas manterem um bom currículo – atualizado e revisado anualmente – para o ensino. A arte entra como matéria fundamental para fortificar o ensino e o conhecimento em outras áreas, uma vez que a arte pode ser relacionada com a ciência, com a psicologia, com a História e etc.

Nascimento de Vênus, Sandro Botticelli, 1484–1486

No Brasil, infelizmente, a arte é pouco divulgada, ensinada, promovida e aceita pela sociedade – com exceção dos estilos populares como Cinema e Música. A arte e a história da arte clássica é vista, no Brasil, como sendo algo da elite, altamente exclusiva. Isso porque a Educação no país falhou em ensinar nas escolas sobre a história da arte, fazendo disso uma faculdade exclusiva do conhecimento. O resultado é que a arte não faz parte do nosso conhecimento, sendo assim, fica excluída do nosso cotidiano, uma vez que não criamos o hábito de apreciar a arte. E como apreciar algo sobre o qual não entendemos? A arte passou e passa, ainda, a distância, nas escolas e no ensino. Hoje, vemos que o resultado é uma população que considera a arte como sendo algo para os privilegiados e para a elite.

Por causa da internet, a arte tem sido mais democratizada e se popularizou com rapidez nos últimos anos. A internet possibilitou acesso à arte e sua história, e ofereceu um maior entendimento sobre as suas características e influências na história da humanidade.

Os girassóis de Van Gogh (série), 1888.

Podemos afirmar que o advento da internet tem cumprido o papel do Estado, o de democratizar a arte. Um papel que é obrigatoriamente do sistema de ensino, mas que por ser falho, não é confiável. A importância de se trabalhar nas escolas para ensinar os pilares artísticos e as influências destes na sociedade e no modo em que vivemos torna-se urgente. As artes abrangem muito mais do que apenas conhecer a história. A arte é importante para conhecermos a nós mesmos e a nossa própria capacidade de evoluir de acordo com o que vivemos e captamos em sociedade. A própria comunicação é permeada com os conceitos artísticos. Toda a expressão através da linguagem, a linguagem visual, os sinais, os gráficos, as manifestações e expressões performáticas, a comunicação visual, tudo é feito a partir de um pilar que é a arte. Conhecer este pilar e conseguir posicioná-lo nos lugares certos ao longo da história, a fim de entender o próprio homem é um serviço que deveria ser oferecido com uma maior qualidade dentro das instituições de ensino.

A arte ajuda o homem a pensar e a se desenvolver. O conhecimento sobre a arte é primordial para o conhecimento sobre o mundo e sobre o homem.

Fonte: http://obviousmag.org