Google (…) é uma extensão literal da nossa mente

NIEMAN LAB
09.set.2018 (domingo) – 4h30

Por Benjamin Curtis*

Estamos perdendo nossas mentes para o Google. Depois de 20 anos, os produtos do Google se integraram em nossa vida cotidiana, alterando a própria estrutura de nossa arquitetura cognitiva, e como consequência nossas mentes expandiram-se para o ciberespaço. Isso não é ficção científica, mas uma implicação do que é conhecido como a “tese da mente estendida”, uma visão amplamente aceita na filosofia, psicologia e neurociência.

Não se enganem sobre isso: esta é uma mudança sísmica na psicologia humana, provavelmente a maior que já tivemos que enfrentar, e que está ocorrendo com uma rapidez de tirar o fôlego –o Google, afinal, completa apenas 20 anos de idade neste mês. Mas, embora essa mudança tenha algumas boas conseqüências, há algumas questões profundamente preocupantes que precisamos urgentemente enfrentar.

Grande parte da minha pesquisa abrange questões relacionadas à identidade pessoal, mente, neurociência e ética. E, a meu ver, à medida que aceitamos os recursos “personalizados” pela inteligência artificial do Google, cedemos cada vez mais nosso espaço cognitivo pessoal ao Google, e assim tanto a privacidade mental quanto a capacidade de pensar livremente são corrompidas. Além disso, começam a surgir evidências de que pode haver uma ligação entre o uso da tecnologia e problemas de saúde mental. Em outras palavras, não está claro que nossas mentes possam suportar o peso da extensão virtual. Talvez estejamos mesmo próximos do ponto de ruptura.

“Onde a mente pára e o resto do mundo começa?”

Essa foi a questão levantada em 1998 (coincidentemente o mesmo ano em que o Google foi lançado) por dois filósofos e cientistas cognitivos, Andy Clark e David Chalmers, em um artigo de jornal agora famoso, The Extended Mind. Antes de seu trabalho, a resposta padrão entre os cientistas era dizer que a mente parou nos limites da pele e do crânio (em resumo, os limites do cérebro e do sistema nervoso).

Mas Clark e Chalmers propuseram uma resposta mais radical. Eles argumentaram que, quando integramos coisas do ambiente externo em nossos processos de pensamento, essas coisas externas desempenham o mesmo papel cognitivo que nossos cérebros. Como resultado, eles são tão parte de nossas mentes quanto neurônios e sinapses. A discussão de Clark e Chalmers produziu debate, mas muitos outros especialistas na mente concordaram desde então.

NOSSAS MENTES ESTÃO LIGADAS AO GOOGLE

Clark e Chalmers estavam escrevendo antes do advento dos smartphones e da Internet 4G, e seus exemplos ilustrativos eram um tanto fantasiosos. Eles envolviam, por exemplo, um homem que integrava um notebook em sua vida cotidiana que servia como memória externa. Mas, como os trabalhos recentes deixaram claro, a tese da mente ampliada tem relação direta com nossa obsessão por smartphones e outros dispositivos conectados à web.

Cada vez mais nós estamos presos em smartphones desde a manhã até a noite. Usar os serviços do Google (mecanismo de pesquisa, calendário, mapas, documentos, assistente de fotos e assim por diante) tornou-se uma segunda natureza. Nossa integração cognitiva com o Google é uma realidade. Nossas mentes literalmente mentem em parte nos servidores do Google.

Mas isso importa? Importa. Por duas razões principais.

Primeiro, o Google não é uma mera ferramenta cognitiva passiva. As últimas atualizações do Google, alimentadas por inteligência artificial e machine learning, todas envolvem sugestões. O Google Maps não apenas nos informa como chegar aonde queremos ir (a pé, de carro ou de transporte público), mas agora nos oferece sugestões de local personalizadas que acha que nos interessam.

Google Assistente, sempre a apenas duas palavras de distância (“Ei, Google”), agora não apenas nos fornece informações rápidas, mas pode até mesmo marcar compromissos para nós e fazer reservas em restaurantes.

O Gmail agora faz sugestões sobre o que queremos digitar. E o Google Notícias empurra histórias que acha que são pessoalmente relevantes para nós. Porém, tudo isso elimina a necessidade de pensar e tomar decisões por nós mesmos. O Google –mais uma vez enfatizo, literalmente– preenche as lacunas em nossos processos cognitivos e preenche lacunas em nossas mentes. E assim a privacidade mental e a capacidade de pensar livremente são ambas corroídas.

VÍCIO OU INTEGRAÇÃO?

Segundo, não parece bom para nossas mentes se espalhar pela internet. Um motivo de preocupação crescente é o chamado “vício em smartphones”, que já não é um problema incomum. De acordo com relatos recentes, o usuário médio de smartphones do Reino Unido verifica seu telefone a cada 12 minutos. Há toda uma série de efeitos psicológicos ruins que isso pode acarretar e que estamos apenas começando a observar, sendo a depressão e a ansiedade os dois mais proeminentes.

Mas a palavra “vício” aqui, na minha opinião, é apenas outra palavra para a integração que mencionei acima. A razão pela qual tantos de nós achamos tão difícil não pegar em nossos smartphones, para mim, é que integramos seu uso nos processos cognitivos diários. Nós literalmente pensamos ao usá-los e, por isso, não é de admirar que seja difícil parar. Ter o smartphone de alguém repentinamente retirado é como uma lobotomia. Em vez disso, para romper o vício/integração e recuperar nossa saúde mental, precisamos aprender a pensar
de maneira diferente e a reivindicar nossas mentes.

*Benjamin Curtis é professor de filosofia e ética na Universidade de Nottingham Trent. Este artigo foi originalmente publicado no The Conversation.
__
O texto foi traduzido por Victor Schneider. Leia o texto original em inglês.
__

Poder360 tem uma parceria com duas divisões da Fundação Nieman, de Harvard: o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports. O acordo consiste em traduzir para português os textos do Nieman Journalism Lab e do Nieman Reports e publicar esse material no Poder360. Para ter acesso a todas as traduções já publicadas, clique aqui.

Fonte: https://www.poder360.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s